Mastercard usa a sua impressão digital para dispensar a senha

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Uma ótima tecnologia para deixar as coisas um pouco mais seguras para quem usa cartão de crédito.

Seu próximo cartão de crédito talvez não exija uma senha na hora de fazer um pagamento. Em vez disso, ele usará as suas digitais para autenticar o pagamento, do mesmo jeito como fazemos para pagar com o celular. A iniciativa é da Mastercard, que está testando um cartão com leitor biométrico embutido.

Brasileiro sofre com o pagamento de juros: R$ 54 bilhões em fevereiro

O processo é simples: você insere o cartão na maquininha e coloca o dedo no leitor. Depois, é só correr para o abraço. A companhia afirma que a novidade funciona com todas as maquininhas atuais, já que todo o processo de autenticação acontece dentro do cartão. Os dados de biometria do usuário ficam registrados no chip, nada de comunicação com servidores na web. Para utilizar o novo cartão, o banco precisa informar ao cliente que a novidade está disponível, para que seja realizado o cadastro das digitais. Um modelo criptografado de até duas impressões digitais é armazenado no chip EMV do cartão.

No comunicado de imprensa da Mastercard, o chefe de segurança da empresa, Ajay Bhalla, afirma que a novidade oferece “mais conveniência e segurança”. Na verdade, existem algumas preocupações ao redor da tecnologia de autenticação por impressão digital e já se consegue fraudar essa camada de segurança com certa facilidade. Apesar disso, alguns especialistas em segurança ainda acham que a leitura biométrica é mais eficaz do que um PIN de quatro dígitos, como aponta a reportagem da BBC.

A companhia afirma que irá expandir os testes para a Europa e região Ásia-Pacífico nos próximos meses, e espera-se que “ainda este ano seja liberado para todo o mundo”.

A ideia do cartão de crédito com leitor de impressões digitais da Mastercard já existe desde 2014, quando foi anunciada uma parceria com a empresa de tecnologia Zwipe. Foi realizado um teste bem-sucedido na Noruega naquele ano, mas o cartão era meio desajeitado: ele era maior que o normal e tinha bateria. O modelo atual é bem parecido com aqueles que já conhecemos e não precisa ser colocado na tomada.

Fonte: Gizmodo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×